20 de junho de 2010

vEm

Vem. Perde-te em mim vezes sem conta

Inventa um oceano de nós

Faz do tempo uma obra que se desmonta

Como um rio que se perde ao chegar à foz.

Vem. Adormece em mim para além do sonho mais nobre

Inventa o vento e os cheiros da terra

Da pele que se transforma em tudo que se dá e cobre

Como um rio que em paz, dorme na guerra.

Vem. Repete o meu nome e chama, chama, chama...

Inventa um novo hino e poema e caminho e parapeito

Abandona-te presa e tudo, ao sabor da minha cama

Como quem perde, adormece e repete o grito que leva no peito!

2 comentários:

Maria disse...

Deixa que me perca em ti uma só vez
Que deste fogo me quero libertar
Devolve-me a frescura da pele ardente
Em que adormeceste e me fizeste sonhar
Com dias e noites de um desejo quente
E fomos rio juntos correndo para o mar
Deixa que me perca em ti mais uma vez
Que das noites de amor me quero libertar
Falaste ao meu peito com a tua voz quente
Deste-me as mãos e beijaste-me o olhar
Como queres que te esqueça ao sol poente
Se tudo de mim levaste no nosso amar...

Apenas eu disse...

As tuas palavras são fortes parece que se ouvem aqui.

um dia vou :))
mesmo "presa e tudo"...

um grande beijo

aLuCiNaÇã0

Prometo-te um poema de amor, meu amor. Sim, hei-de chamar-te "meu amor"... Posso, meu amor? Gosto da palavra "amor&quo...