31 de dezembro de 2010

Lo0pInG

Para todos, o meu pensamento de há precisamente 1 ano. Um ano depois de tanta coisa passada, reler estas palavras tem um significado muito grande. Boas entradas!

Lembro-te um grito. Um sorriso apenas. Desses que se dão e nunca se repetem. Lembro-te como se faz amor na pele da amizade. Lembro-te os dias a passar e o tempo que temos. Lembro-te o copo cheio e o copo vazio depois de nós. Lembro-te o teu olhar doce de ser manto meu. Lembro-te como se dança; pode ser na praceta ou no labirinto da noite. Lembro-te a tua voz de luta. Lembro-te a descoberta. Lembro-te a morte também; os partos... Lembro-te cada lágrima nesta corrente. Lembro-te o meu nome (para que não esqueças). Lembro-te o toque do acorde preciso em verde. Lembro-te o adeus e Ary. Lembro-te cada verso novo ou velho ou repetido. Lembro-te o vento; ai, o vento! Lembro-te as mãos de escavar a ternura como se fosse terra. Lembro-te a estrada e a falésia e a curva e a paragem e o precipício e a pedra e o pó do caminho e a chuva e as cores. Lembro-te o silêncio da respiração. Lembro-te os carris da fuga. Lembro-te o monte e as fontes. Lembro-te o canto em tons de medo. Lembro-te que estás. Lembro-te Paris na magia de todos os momentos. Lembro-te a queda e a vertigem. Lembro-te as rugas das nossas memórias. Lembro-te o sossego e a inquietação. Lembro-te as letras. Lembro-te o cheiro de cada flor ou pedaço de nuvem. Lembro-te a embriaguez das vozes e dos abraços. Lembro-te as fotografias ou os livros. Lembro-te a família que passa. Lembro-te o riso estridente; o desejo calado. Lembro-te o nome das ruas; das velhas e das novas. Lembro-te as roupas; os sapatos. Lembro-te a saudade; pode ser boa. Lembro-te a parede branca ou o telhado quente. Lembro-te a ausência. Lembro-te a descoberta; as veias do sangue rio de outras fecundações. Lembro-te o mistério. Lembro-te as histórias de encantar ou malandrices de meninos panteras e outros que tais. Lembro-te sempre. Lembro-te a voz; talvez o mar dentro do peito. Lembro-te a silhueta na estação em chaga suicida. Lembro-te a arca dos segredos. Lembro-te o adro da Igreja. Lembro-te o orgulho. Lembro-te a Lua; Sol e Lua... Lembro-te o corpo do pintor. Lembro-te o rasgão do poeta. Lembro-te a surpresa do Músico. Lembro-te o cozinheiro. Lembro-te textos e textos e textos e textos tão teus e meus; projectos e Berlengas e tudo o resto. Lembro-te o murro na liberdade. Lembro-te a marcha na Avenida de olhos postos numa raiva cada vez mais fechada. Lembro-te que Abril abriu portas? Lembro-te o cravo a três cantos e nove passagens. Lembro-te o Bem Querer ou Oceano de ninar. Lembro-te a página em branco e o pincel. Lembro-te o tic-tac do coração. Lembro-te que tudo não é esquecimento; que esquecer é perder; e perder é não ser; e não ser é deixar de estar; e deixar de estar é apagar; e apagar é recomeçar; e recomeçar é lembrar.... Por isso, meus amigos, NUNCA SAIAM DE MIM!

6 comentários:

OutrosEncantos disse...

Feliz Ano Novo, Pedro!
Num abraço assimmmmm!...

Maria disse...

Metade de mim está aqui revista e vestida pelas palavras que deixas. A outra metade é minha, não revelada mas que tu (re)conheces no meu olhar. Neste preciso momento.

Ai como te abraço...

MisteriosaLua disse...

Pedro, um 2011 com tudo o que te faça feliz!!!

Carol disse...

Pedro,

Tu és ÚNICO ... é impossível, agora, que alguma vez vás sair das nossas vidas ... :)

Para ti, para a tua família ... tão somente o melhor ... na medida de todos os vossos sonhos !!

Uma beijoca carinhosa,

Carol

Lídia Borges disse...

Comovente!

O verde da origem, do recomeço...
A circularidade onde habita a Esperança.

Um Bom Ano.

Beijo

Apenas eu disse...

Um grande beijinho meu.
como vês ainda cá estamos e dá-me ideia que ninguém tenciona ir a lado nenhum:)

Pedro, se a ternura tivesse um esboço era de certeza o teu.

Um grande beijinho
ranqdaat:))

LeGeNdA

Pac-man e suas princesas