7 de abril de 2011

oMeUpEiTo

Dá-me o tempo o vazio sem pedir licença

Nem sequer bate à porta...

E o meu peito sangra, inquieta-se na tempestade imensa

Que é uma espera crua, fria e talvez morta.

.

Uma onda que vem e passa

Não volta, provavelmente nunca mais...

E o meu peito num calor que destrói e abraça

Canta os segundos interditos e infernais.

.

Um tremer no fundo mais fundo que se tece

Como um poço infinitamente perdido...

E o meu peito lembra, esquece, lembra, esquece

Neste calar, manto de um leito assim dorido.

.

O futuro vagabundo de cada caminhada

Risco no olhar do poeta que se quer menino...

E o meu peito volta a ser tudo e volta a ser nada

Como quem espera que o dia acorde cristalino.

.

Grito sem parar o abraço e o beijo

Esse mel do meu jardim que sou eu...

E o meu peito chora solidão e desejo

Porque de tanto talvez já tudo se perdeu.

1 comentário:

Maria disse...

O teu último verso diz-me tanto...
Quero-te sempre poeta-menino! Para sempre!

Abraço-te.

PoDeSeR

Pode ser que os dias sejam apenas ilusões Pode ser que cada sonho se limite ao sumo das canções Pode ser que um poema consiga abrir o mar Po...