17 de julho de 2009

pEqUeNoPó


Sou um pequeno pó dentro de tanto

Um sonho que se fixa e teima

Carregado de um cheiro feito meu, feito manto

Onde tudo é apenas um abraço que queima


Sou uma voz solta na prisão da saudade

Um respirar que me devorou e me perdeu

Por entre cada segundo da eternidade

Onde tudo é esse abraço só teu e só meu


Sou uma revolta de querer mais e tudo

Uma inquieta peregrinação de pedra e cal

No canto que teimo sempre grito e sempre mudo

Onde o abraço se faz ternura e vendaval


Sou um louco sem medo ou sem perdão

Caído nas teias de ser assim

Pobre amante, abraço fonte vida e coração

Onde cada começo sofre já pelo fim


Sou silêncio, fumo e sono

Lambidela, beijo selvagem

Perto demais do abraço e do abandono

Onde a chegada é já uma nova viagem


Sou abraço embriaguez na fome de ser

Canção na lágrima solta demais

Sangue que corre nas veias de te querer

Onde me perco de cada vez que te vais...

.

.

.

.

Hoje podia cantar eternamente. Tudo me corre em sufoco e turbilhão. Um pouco da noite que me mata lentamente. Um tudo de mim, carregado de solidão...

13 comentários:

Maria disse...

Ardem-me as palavras no fogo da inquietação
Que abrasa o meu peito azul da tua dor
Quisera eu saber como dominar esta solidão
E num abraço falar-te das palavras de amor


Beijo nosso

Maria disse...

Hoje poderia ler-te continuamente. Já te sei de cor nestas palavras. Hoje poderia dar-te um abraço quente. Dos que ficam e nos acompanham nas viagens. Gosto da imagem do 'abraço que se faz ternura e vendaval' como gosto do 'abraço que queima'.
Gosto de te saber assim. Quente. Fervente. De amor ardente.
Gosto da dor que escreves das partidas e chegadas, ou do ir e vir. Porque é tão bom voltar.
Gosto de te saber emoção. E de quando dizes tudo querer. Sabes como te quero, de coração. E sabes das palavras que ficam por dizer.

Abraço-te, com ternura.

Delirius disse...

"Hoje podia cantar eternamente. Tudo me corre em sufoco e turbilhão. Um pouco da noite que me mata lentamente. Um tudo de mim, carregado de solidão..."

Adoro ler-te, Pedro.
Abraço :)

Céci disse...

Lindo Pedro!

Para ti o meu abraço de amizade

Bjinhos

Céci

A CONCORRÊNCIA disse...

Todos nós somos um pequeno pó, viver passa também por não nos acomodarmos com o que temos, de lutarmos sempre por mais ...

Sorriso e bom fim de semana

Som do Silêncio disse...

Hoje deixo-te um abraço!

Lídia Borges disse...

É tempo de férias, de viagens...
Esta pelos caminhos de ti é maravilhosa.
Um dizer tão rente ao sentir que abre portas e janelas para deixar arejar as inquietações, os sonhos, as revoltas, os desejos.

Belíssimo texto!

Leticia Gabian disse...

Ainda bem que não sou míope e consigo ler toda poesia contida nas "letrinhas" de rodapé.

Abração procê

cristal disse...

Belíssimas estas palavrasquenosabraçam...

Receba o meu Abraço Pedro

LUZ disse...

deixo-te um beijo num abraço carregado de partidas...Lina

as velas ardem ate ao fim disse...

Um bjo grande

ana margarida disse...

espectacular!
somos pó de estrela que tem tudo isso q referiste - solidão, abraço, vastidão...
um bj

Apenas eu disse...

um abraço que queima, que teima em ser um "nós"...
um abraço carregado de tudo o que foi e deixou...

todas as palavras aqui escritas me queimam e me perdem, mas esta frase em especial deixou por aqui um vendaval ...

"Onde tudo é esse abraço só teu e só meu"

Nem de propósito vinha aqui deixar-te um abraço e um beijo ;)

aTuAaUsÊnCiA

A tua ausência morde-me o tempo e já não sei muito bem contar. Contar os dias que faltam ou contar os passos obrigatórios. Sabes que o me...