22 de agosto de 2010

oDeDePoEtA


Não te pertenço, eu sei. És um vento dentro do meu peito que se enamora e se esconde sem que eu saiba. Umas vezes abraças-me ou navegas nas lágrimas da vida; outras apenas te deixas a sorrir vendo-me no meu mar das ondas, perdendo e encontrando as marés. Não te pertenço. Por isso, poesia, te tenho.

4 comentários:

Maria disse...

É um ter recíproco. Porque a poesia também te tem a ti, Poeta!

Beijo.

mariam disse...

LINDO!

... é realmente fantástico, ler o que escreves. Parabéns! Obrigada.

um sorriso :)
beijinhos

mariam

Vanessa Raphaella disse...

Tens um belo dom!
Muito bacana teu blog!!!
Depois dê uma passadinha no meu!
http://www.vanessinhaserpensante.blogspot.com

abçs

Apenas eu disse...

é isso mesmo Pedro, só se tem de verdade o que não nos pertence...o que não nos pertence é um sonho e o sonho é o que nós quisermos... daí a poesia não ter "dono"...

beijinhos

aLuCiNaÇã0

Prometo-te um poema de amor, meu amor. Sim, hei-de chamar-te "meu amor"... Posso, meu amor? Gosto da palavra "amor&quo...