19 de novembro de 2010

qUe

.
.
.
Que a calçada se desfaça a meus pés!
Que queime todas as memórias. Do que és...
Que o tempo desafie o meu sonho desfeito!
Que arrase e leve consigo cada pedaço de mim. Imperfeito...
Que as palavras se transformem em armas de guerra!
Que arranhem sempre que forem ditas. Nesta terra...
Que as sombras nunca regressem nem mais nada.
Nunca mais!
Porque um dia voltarei a ouvir o cantar da madrugada...
Porque nos caminhos deitados ao lixo não vais...
.
.
.

2 comentários:

Maria disse...

Nesse dia em que a madrugada voltar a cantar chama-me. Eu vou...

Carmo disse...

QUE poema soberbo!!!

Um poema forte cheio de esperança.

Um abraço e boa semana

aLuCiNaÇã0

Prometo-te um poema de amor, meu amor. Sim, hei-de chamar-te "meu amor"... Posso, meu amor? Gosto da palavra "amor&quo...