9 de janeiro de 2008

pAi


Volto-me perto de andar longe. Na volta de estar parado. Em caminhadas pelo mar dentro. Adentro de paixão e dor. Em cores de desfazer e refazer mantos de fogueiras. Volto-me de novo outra vez novamente sempre. Para ser eu a ver-me...

7 comentários:

Maria disse...

... e para de novo voltares outra vez novamente sempre....

Beijo de boa noite, Pedro

as velas ardem ate ao fim disse...

Posso espreitar???

bjinho Pedro

Rui Caetano disse...

POr muitas voltas que decidamos dar, a volta que melhor nos identifica é a volta em que nos vemos, a nós mesmos, no espelho da vida.

tufa tau disse...

nesses favos a mãe cuida e protege
com a mesma dor e mesma paixão
não renega cada filho que concebe
com a força do pai naquela imensidão


adentra-te na paixão, pai pedro

Maria P. disse...

Vê...e sente.

Beijo.

Manuela disse...

damos muitas voltas... e nem sempre nos conseguimos ver... há sempre um ângulo escondido...
:)

un dress disse...

num infinito espelho de reflexos...

aLuCiNaÇã0

Prometo-te um poema de amor, meu amor. Sim, hei-de chamar-te "meu amor"... Posso, meu amor? Gosto da palavra "amor&quo...