13 de janeiro de 2008

aNtE


Quem me prende no peito esta prisão----Imobilizadamente por entre cada nó deste amor---Para depois, talvez em corrente ou paredão---Tudo se desfazer com pedaços de dor---Quem me denuncia na alma esta ternura---Rastejantemente pelos labirintos de cada nó deste amor---Para depois, talvez em tempestade feita ar e candura---Tudo se refazer com pedaços de dor---


Pedaço a pedaço.


Dor a dor.


7 comentários:

tufa tau disse...

liberdade de escrever
liberdade nas palavras
liberdade nos sentires
liberdade nos olhares
liberdade em ti
tu em liberdade

escritores de liberdade...

é um prémio. aceita-o!
dei-to, em plena consciência e liberdade

abraço

Maria P. disse...

Pedaço a pedaço - refazer.

Beijos*

su disse...

Quem te lança o fio que te guia para encontraes caminho no labirinto? Segura-o firme até à luz. Prende-o bem, contra a dor. Segura-o firme, pedaço a pedaço e dele faz o novo interuior que preencha a tua alma. Refaz, reconstrói. Labuta difícil quando temos preso em nós a lembrança e a dor...quando somos o prisioneiro e o guarda, com a chave numa mão e e a liberdade na outra.

:)

gabriela r martins disse...

lançaste.me o anzol

engoli.o

a linha
e
a cana

.
.

vi
li
gostei

.

volto
aqui



um beijo

Maria disse...

... mas com tanta ternura.....

Beijo, Pedro

Maria Laura disse...

Refazer. Pela ternura. Cada dor.

Tchivinguiro: onde nasci. disse...

Todos os nós se podem desatar.
Uns com mais facilidade que outros.
Cada qual com mais ou menos dor.

Beijinho.

aTuAaUsÊnCiA

A tua ausência morde-me o tempo e já não sei muito bem contar. Contar os dias que faltam ou contar os passos obrigatórios. Sabes que o me...