15 de novembro de 2008

oSiLêNcIoDoGrIt0


Grita-me o teu silêncio junto ao coração

Percorre-me as mãos com esse sangue fervente

Respira-te todos os poros de cada canção

A luta da vida e do caminhar prudente

Grita-me o teu silêncio sentada na areia

Pela maresia de tanto nos encher

Como se fossemos a maré cheia

Onde cada lágrima se vai esconder

Grita-me, só. O fervor de ti nesse grito

O sabor de quem ri quando fala

Sei-te junto a cada verso aflito

Onde nem o silêncio do grito se cala

9 comentários:

Apenas eu disse...

Bom dia!
A vida é mesmo uma luta... adoro a praia, os silêncios, e os versos que nos dás.

beijo Pedro.

(queres voar??)

Paula Raposo disse...

Fantástico!! Um grito soberbo! Adorei. Beijos.

Maria disse...

Agora grito-te em silêncio. Sim! Mais logo grito-te a cantar. Assim, como ontem, como sabes...

Um beijo, Pedro

TCHI de Tchivinguiro disse...

...deixo-te o meu abraço sem longe...

Maria P. disse...

Mesmo que seja um grito num tom baixo...

Bjos*

Vieira Calado disse...

Bem bonito, o poema!

Óptimo resto de fim de semana.

mariam disse...

Pedro,
especial, este belíssimo poema... gostei tanto!

resto de bom Domingo e melhor semana
um aperto de mãos(gosto de apertos-de-mão) e um sorriso :)

mariam

Micas disse...

Aqui, respira-se poesia e muita beleza. Grata

melgadoporto disse...

“Sei-te junto a cada verso aflito
Onde nem o silêncio do grito se cala”
Todos gritamos sempre na esperança que os ouçam.
Uns recebem silêncio!
Outros, afortunados, recebem afagos e conforto.
Diz-se que tem amigos tem tudo.
Gritam contigo em uníssono!
Dão-te “apertos de mão” sentidos!
Acham-te soberbo!
Agradecem o que lhes “dás”…!
Mesmo te convidam a voar ;-)
Que queres mais :-)

aTuAaUsÊnCiA

A tua ausência morde-me o tempo e já não sei muito bem contar. Contar os dias que faltam ou contar os passos obrigatórios. Sabes que o me...