9 de abril de 2009

tErMiNaL




E segredou-lhe em jeito de verso: "Estamos vazios de nós, meu doce amor. As ruas cheiram a pó e a estrada desfaz-se no tempo. O horizonte cobre-nos com o seu manto de fantasma feito sonho. E nada voltará ao seu lugar nesta canção." Ela, levantou os olhos a medo, apertou-lhe a mão e fez-se rio. As águas transbordaram-se pelos corpos afogando tudo à passagem. Nem uma janela escapou. E a morte se anunciou num tapete de sangue estendido sobre os as chagas dos peregrinos. "Não vás...", pediu. "Não aguento mais uma história." E foi-se mesmo.

6 comentários:

Maria disse...

Deixei de te segredar. Agora grito. Todos os rios secarão à minha passagem, se insistires. O mar recuará e será engolido pelo ventre da terra. Pára de falar da morte. É tempo de falar de Vida! É tempo de nos darmos as mãos e voltarmos a cantar. É tempo de voltarmos a amar.
Pára de falar na morte...

Um beijo, Pedro

Maria disse...

Se eu tivesse lido as tuas palavras duas vezes antes de comentar não tinha escrito o que está em cima...
... mas já está, foi o que saiu.

:)

mariam disse...

Pedro,

Grande 'desabafo' poético, este. Que aqui contas em jeito de verso...
se calhar, Ela foi, porque estava um pouquinho cansada... só isso :)

ou , esta é a tua forma de ver a 'paixão de Cristo'

lendo de novo, pareceu-me isso...agora :)

ou então, a 'mania' que temos em decifrar os teus geniais poemas!

sorrisos :)
mariam

A CONCORRÊNCIA disse...

Nenhum de nós sabe a capacidade que tem de aguentar mais uma história ... quantas vezes as nossas capacidades nos surpreendem a nós mesmos ?

Estou com a Mariam, deixo-te um sorriso ....

Carol disse...

Pedro,

Muitas vezes estamos "vazios" de nós mas a capacidade do ser humano de se reinventar, de ouvir mais uma estória e mais uma história é quase infinita ... e descobrimos uma elasticidade que se vai reconstruindo e fortificando a cada experiência que vamos tendo, a cada emoçao que vamos acumulando ...

Fazemos a passagem e ... renascemos ...

Um beijo, Pedro :)

Apenas eu disse...

Sabes li o comentário da Maria, e pensei cada uma das palavras dela.

o poema, é bonito, embora triste.

Não fales da morte.
Queres tintas para colorir?
Queres um beijo?
Queres um abraço?

Eu apenas. Te quero bem.
beijos e saudades.

aLuCiNaÇã0

Prometo-te um poema de amor, meu amor. Sim, hei-de chamar-te "meu amor"... Posso, meu amor? Gosto da palavra "amor&quo...